Fotografias: as melhores lembranças e momentos devem ser gravados


Fotos, fotos e mais fotos!

Nada melhor do que guardar momentos e sentimentos num pedaço de papel, que pode durar uma vida inteira. Todos nós gostamos de memorizar o nosso dia a dia, o cotidiano, aquele momento especial, ou nossos familiares e amigos, sem falar em lugares, viagens e objetos.

Mas quem foi o grande pioneiro dessa arte de transformar momentos em carinhosas lembranças?

A primeira pessoa no mundo a tirar uma verdadeira fotografia – se a definirmos como uma imagem inalterável, produzida pela ação direta da luz – foi Joseph Nicéphore Niepce, em 1826. Ele conseguiu reproduzir, após dez anos de experiências, a vista descortinada da janela do sótão de sua casa, em Chalons-sur-Saône.

Por volta de 1822, Niepce já trabalhara com um verniz de alfalto (betume da Judéia), aplicado sobre vidro, além de uma mistura de óleos destinada a fixar a imagem. Com esses materiais, obteve a fotografia das construções vistas da janela de sua sala de trabalho – após uma exposição de oito horas. Contudo aquele, aquele sistema heliográfico era inadequado para a fotografia comum, e a descoberta decisiva seria feita por um cavalheiro muito mais cosmopolita: Louis Daguerre.

Ela ocorreu em 1835, quando Daguerre apanhou uma chapa revestida com prata e sensibilizada com iodeto de prata, e que apesar de exposta não apresentara sequer vestígios de uma imagem, e guardou-a, displicentemente, em um armário. Ao abri-lo, no dia seguinte, porém, encontrou sobre ela uma imagem revelada. Criou-se uma lenda em torno da origem do misterioso agente revelador – o vapor de mercúrio -, sendo atribuído a um termômetro quebrado. Entretanto, é mais provável que Daguerre tenha despendido algum tempo na busca daquele elemento vital, recorrendo a um sistema de eliminação. Em 1837, ele já havia padronizado esse processo, no qual usava chapas de cobre sensibilizadas com prata e tratadas com vapores de iodo e revelava a imagem latente, expondo-a à ação do mercúrio aquecido. Para tornar a imagem inalterável, bastava simplesmente submergi-la em uma solução de aquecida de sal de cozinha.

Pode-se perceber que a fotografia não é descoberta de um único homem. Muitas experiências de alquimistas, físicos e químicos sobre a ação da luz, foram de extrema relevância no contexto da fixação de imagens. As descobertas se entrelaçam no mundo de domínio da fotoquímica.

A história da fotografia está, portanto, diretamente ligada ao estudo da luz e dos fenômenos óticos.

Ainda na Grécia antiga, o filósofo Aristóteles (384-322 a.C.) constata que raios de luz solar, durante um eclipse parcial, atravessando um pequeno orifício, projetam na parede de um quarto escuro, a imagem do exterior. Este método primitivo de produzir imagens recebe o nome de câmara escura, usada pela primeira vez com utilidade prática pelos árabes, no século XI, para observar os eclipses.

Nesta primitiva câmara, encontram-se os princípios básicos da câmera fotográfica.

 

Depois de muitos e muitos anos, a câmera fotográfica está cada vez mais moderna e menor, como as que encontramos nos celulares. E ainda bem que o ato de fotografar não saiu de moda, e cada vez mais pessoas se rendem a essa arte.

Buscamos algumas idéias então, de como pode-se dispor as suas fotos e de seus amigos pela casa e trazer sempre sorrisos cada vez que são vistas.

Confira!

Então??

Bóra fotografar?

😉

Imagens: Google.

Texto: fotoreal.com.br

 

Deixe seu comentário

Comentário

Fotografias: as melhores lembranças e momentos devem ser gravados
Avalie este post

Compartilhe